Saúde

Hepatite B é uma doença silenciosa e pode acarretar graves sequelas

A hepatite B é uma infecção sexualmente transmissível, com 70% dos casos de infecção derivados de relações sexuais sem proteção.

Infectologista do São Cristóvão Saúde, Dra. Michelle Zicker, explica que na maioria dos casos a Hepatite B não apresenta sintomas. “Muitas vezes, o diagnóstico só é feito décadas após a infecção, com sinais relacionados a outras doenças do fígado, como cansaço, tontura, enjoo e/ou vômitos, febre, dor abdominal, pele e olhos amarelados, que costumam manifestar-se apenas em fases mais avançadas da doença”.

O teste de triagem para Hepatite B é realizado através da pesquisa do antígeno do HBV (HBsAg), que pode ser feita por meio de teste laboratorial ou teste rápido.

Caso o resultado seja positivo, o diagnóstico deve ser confirmado com a realização de exames para pesquisa da carga viral. A principal forma de prevenção da infecção pelo vírus da hepatite B é a vacina, que está disponível gratuitamente no SUS para todas as pessoas não vacinadas, independentemente da idade.

Para crianças, a recomendação é que se façam quatro doses da vacina, sendo: ao nascer, aos 2, 4 e 6 meses de idade (vacina pentavalente).

Já para a população adulta, geralmente, o esquema completo se dá com aplicação de três doses, enquanto para população imunodeprimida deve-se observar a necessidade de esquemas especiais com doses ajustadas, disponibilizadas nos Centros de Imunobiológicos Especiais (CRIE).

Outras formas de prevenção devem ser observadas, como usar camisinha em todas as relações sexuais e não compartilhar objetos de uso pessoal, como lâminas de barbear e depilar, escovas de dente, material de manicure e pedicure, agulhas e seringas, equipamentos para confecção de tatuagem e colocação de piercings.

Para todas as crianças expostas à hepatite B durante a gestação, a recomendação é a vacina e imunoglobulina (IGHAHB) para hepatite B, preferencialmente nas primeiras 24 horas do pós-parto – essas medidas realizadas em conjunto previnem a transmissão perinatal da hepatite B em mais de 90% dos recém-nascidos.

“A Hepatite B não tem cura. Entretanto, o tratamento disponibilizado no SUS objetiva reduzir o risco de progressão da doença e suas complicações, especificamente cirrose, câncer hepático e até a morte”, finaliza Dra. Michelle, reforçando a busca por auxílio especializado em caso de quaisquer dúvida sobre o tema.

Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Quanto é 5 + 6 ?
Please leave these two fields as-is:
IMPORTANTE! Para prosseguir, você precisa resolver a simples questão matemática acima (assim sabemos que você é um ser humano) :-)

Mais Lidos

To Top