Página Inicial

Mucosite: 80% dos pacientes desenvolvem o efeito colateral mais temido no tratamento do Câncer

O tratamento do câncer tem por sua finalidade a cura e o alívio dos sintomas da doença, porém alguns dos procedimentos realizados, como o cirúrgico, quimioterápico e radioterápico causam, em sua grande maioria, efeitos colaterais que variam de acordo com a intensidade do tratamento e com cada paciente. Um dos efeitos colaterais mais severos é o aparecimento da mucosite oral, reação tóxica inflamatória que atinge hoje cerca de 80% dos pacientes em tratamento oncológico para os diferentes tipos de tumores de cabeça e pescoço (boca, garganta, língua, tireoide, etc.).

Segundo a cirurgiã dentista do IBCC – Instituto Brasileiro de Controle do Câncer -, Sandra Bastos Rezende, 89% dos pacientes que fazem tratamento de quimioradioterapia acabam desenvolvendo , como por exemplo, pessoas submetidas a transplante de células-tronco hematopoiéticas. No Hospital, o tratamento mais indicado e mais eficiente é a fototerapia com laser de baixa potência em toda mucosa oral. Premiada como Melhor do Ano pela Excelência e Qualidade na área de Laserterapia na Odontologia Hospitalar pela Associação Brasileira de Liderança (Braslider), a Dra. Sandra enfatiza que o laser é efetivo em vários aspectos, porque além de ser anti-inflamatório, analgésico e diminuir a severidade das lesões, ajuda na reconstrução do tecido da mucosa, ou seja, auxilia na regeneração celular.

A terapia preventiva e curativa reduz a incidência da mucosite oral, otimiza o tratamento proposto pelo médico-oncoclínico e oferece mais qualidade de vida aos pacientes. A indicação sempre é médica, portanto a equipe multidisciplinar tem que estar alinhada, pois a Laserterapia deve ser iniciada junto com o tratamento oncológico, seja radioterapia de cabeça e pescoço ou quimioterapia em altas doses. Esse processo será realizado até que as funções orais do paciente estejam restabelecidas e ele volte a se alimentar e a falar normalmente. “É essencial também que o paciente também mantenha uma boa higiene bucal, pois assim ele vai reduzir as infecções e prevenir a severidade da mucosite.” – adverte a dentista.

O hematologista e chefe da Unidade de Transplante do IBCC, Roberto Luiz da Silva, acredita ser fundamental junto da equipe oncológica ter o apoio da dentista. “Investir na terapia preventiva é investir no paciente. Ter um diagnóstico precoce das doenças bucais, como a mucosite, e iniciar o procedimento necessário com rapidez, é garantir o sucesso do tratamento oncológico multidisciplinar do paciente. ” – comentou o hematologista.

LESÕES DA MUCOSITE

A mucosite oral consiste no aparecimento de lesões na mucosa oral que começam com eritema (vermelhidão), evoluindo para um edema (inchaço) e ulcerações (feridas) com sangramento que acarretam em dificuldade da mastigação, deglutição e fala.

Essas lesões aumentam o risco de infecções locais, o que exige um uso maior de antibióticos pelo paciente, aumentando seu período de internação e o uso de nutrição parenteral.

“A mucosite severa pode até justificar a interrupção da quimioterapia e ou radioterapia, servindo como um fator dose-limitante ao tratamento médico-proposto para o combate da doença.” – enfatiza a dentista Sandra Rezende da Unidade de Transplante de Células-Tronco do IBCC.

 

Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Quanto é 8 + 7 ?
Please leave these two fields as-is:
IMPORTANTE! Para prosseguir, você precisa resolver a simples questão matemática acima (assim sabemos que você é um ser humano) :-)

Mais Lidos

To Top