Dicas

Cachorros podem queimar as patas e a pele no verão; veja como protegê-los

Era para ser um passeio corriqueiro do dachshund Bob, 6, com a sua dona, Maria Raquel Silva, 35. Mas o sol implacável do verão ao meio-dia fez com que o cão voltasse para casa com as patas queimadas pelo chão quente do parque Ibirapuera, na zona sul. Quando chegou em casa, ela percebeu o incômodo do bicho ao andar. Viu as patas vermelhas, quase sangrando, e o levou ao médico. “O veterinário passou pomada, fez ataduras e orientou que eu não passeasse mais com ele nos horários mais quentes.”
Segundo a Secretaria do Verde e do Meio Ambiente, os atendimentos nos dois hospitais veterinários públicos na capital -no Tucuruvi, zona norte, e no Tatuapé, zona leste- por causa de queimaduras (tanto solar quanto de contato com o chão quente) chegam a aumentar, em média, 40% no verão.
Diferentemente dos humanos, os cães não transpiram para manter a temperatura do corpo. Por isso, o tempo quente gera problemas respiratórios para eles, principalmente os de focinho curto, como pugs e buldogues.
O mais frequente é o “estresse térmico”, síndrome causada pelo calor, que pode levar a alterações respiratórias e, nas situações graves, à morte do animal. Esses casos, segundo a prefeitura, ocorrem 98% a mais no verão em relação às demais épocas do ano.
Há quatro meses, a empresária Thaís da Fonseca perdeu a pug Alice, 2. “Era um dia em que até garoava, mas estava abafado”, lembra. “Fomos de carro com ar-condicionado e meus outros dois pugs, mas só ela passou mal.” Levada às pressas ao veterinário, Alice estava com a temperatura elevada. Ela foi tratada, mas morreu no dia seguinte. “Agora fiquei paranoica com qualquer passeio. Eles foram para a praia, mas ficaram o tempo todo dentro de casa, no ar-condicionado. Quando saímos, levo gelo em gel e toalhas para molhar com água fria e colocar em cima deles”, conta Thaís.
Segundo Mario Marcondes, diretor do hospital veterinário Sena Madureira, também é comum animais morrerem porque os donos os deixam dentro de carros. Os veículos, diz o especialista, devem sempre estar com o ar-condicionado ligado.
Para evitar queimaduras nas patas, a indicação é passear com os cachorros antes das 8h ou depois das 20h. Cães de pelo curto e muito branco também requerem cuidados.
A empresária Edna Saiki é dona de três whippets e costuma passar protetor solar no rosto deles. “Nunca saímos em horários muito quentes e coloco roupinhas para eles não queimarem o dorso”, diz Edna. Ela usa protetor solar comum, mas há marcas especializadas para pets, com creme de gosto amargo para o bicho não lambê-lo.
Ronaldo Lucas, coordenador do hospital veterinário da Anhembi Morumbi, também recomenda visitar um veterinário antes de viajar com os animais.
“Cães podem ter otite, por nadarem no mar ou em piscina, e problemas por receberem comidas em festas. Isso nunca pode acontecer porque mudar a alimentação deles é tragédia anunciada”, explica.

Click para comentar

Escreva uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Quanto é 12 + 12 ?
Please leave these two fields as-is:
IMPORTANTE! Para prosseguir, você precisa resolver a simples questão matemática acima (assim sabemos que você é um ser humano) :-)

Mais Lidos

Topo